{"title":"EMPR\u00c9STIMO A JATO","type":"post","content":"

AVIÕES EXECUTIVOS PODEM SER, ALÉM DE ARTIGOS DE LUXO, FERRAMENTAS PARA TORNAR OS NEGÓCIOS MAIS ÁGEIS. SAIBA QUANDO COMPENSA TER SUA PRÓPRIA AERONAVE E QUAL A MELHOR MANEIRA DE FINANCIAR A COMPRA.<\/p>\r\n

Há 20 anos atuando no mercado de luxo, o empresário paulista Marcus Matta, fundador e presidente da empresa de compartilhamento de aeronaves Prime Fraction Club, tem acompanhado a mudança no perfil daqueles que utilizam jatos executivos. Até há pouco tempo, a maior parte dos usuários eram bilionários que viajavam a lazer ou para conferir o desempenho de seus negócios. No entanto, Matta, que fundou sua companhia em 2010, em parceria com a corretora paulista Planner, vem percebendo a presença de mais e mais executivos que só voam a trabalho.<\/p>\r\n

“As empresas começaram a comparar o custo de manter uma aeronave no céu com o tempo perdido por seus executivos ao usar a aviação comercial e perceberam que vale a pena investir no próprio avião”, diz ele. Para atender a essa demanda crescente e diversificada, Matta vem usando algo pouco associado à aviação executiva: crédito. Três das seis aeronaves de sua frota foram financiadas com os bancos, com empréstimos totais de R$ 89,9 milhões. A última aquisição foi um Phenom 300, da Embraer, avaliado em R$ 25 milhões.<\/p>\r\n

De acordo com Matta, a conta para saber se vale a pena comprar um avião é simples. Para quem aluga um jato e voa até 30 horas por mês, no máximo, a melhor opção é continuar no aluguel ou compartilhar a aeronave com outro usuário. Quando o tempo passado nas nuvens supera 40 horas mensais, daí sim vale a pena pensar na aquisição. Indepen­dentemente do custo da aeronave em si, as despesas com combustível, seguro, manutenção, hangaragem (o “estacionamento” do avião) e o salário do piloto podem oscilar de R$ 7 mil a R$ 40 mil por mês.<\/p>\r\n

Compensa financiar? A principal vantagem é que aviões são considerados bens de capital, daí as taxas de juros mais em conta praticada pelos bancos, como Itaú, Santander, Bradesco e Banco do Brasil, entre outros. “Olhe para o seu fluxo de caixa e seus investimentos”, diz. “Se o dinheiro ficar aplicado e render mais que as taxas, é interessante financiar, principalmente no longo prazo.” O empresário obteve os financiamentos anteriores com Itaú, Bradesco e Santander e já negocia um novo empréstimo com o banco espanhol para a compra de um novo modelo. “Vamos comprar um Phenom 100 avaliado em R$ 10 milhões”, afirma Matta. “O mercado está aquecido e temos necessidade de adquirir novas aeronaves.”<\/p>","publish_date":"16\/04\/2014","cover":"emprestimo-a-jato.jpg","video":""}