{"title":"FAZENDAS A JATO","type":"post","content":"

Nos últimos tempos tem ganhado terreno uma nova modalidade: o compartilhamento de bens de alto de valor. No caso de aeronaves, a Prime Fraction Club, de Barueri, na Grande São Paulo, se dedica a esse mercado. A Prime, do empresário Marcus Matta, fundada em 2009, oferece jatos e helicópteros. Nesse caso, a conta é mais salgada que a dos aviões convencionais. Na ponta do lápis, a adesão à Prime custa US$ 1 milhão e US$ 50 mil são gastos mensalmente para manter a aeronave.<\/p>\r\n

“Levando em conta que um jato pode custar US$ 3 milhões, o compartilhamento é uma saída mais econômica”, diz Matta. “Além disso, o cliente vai ter uma aeronave sempre à mão.” A ideia do compartilhamento de bens em cotas de tempo de uso veio da americana NetJets. No caso de um jato, as cotas por aeronave são de 25 horas mensais divididas entre três clientes. “Isso tem atendido bem o setor, tanto que o agronegócio já representa 22% dos nossos cotistas”, diz Matta. “Com o dinheiro economizado, o produtor pode reaplicá-lo em seu próprio negócio”.<\/p>","publish_date":"Agosto 2015","cover":"fazendas-a-jato.jpg","video":""}